Noticia

Os três homens – Nie Haisheng, Liu Boming e Tang Hongbo – vão passar três meses a bordo do módulo Tianhe cerca de 380 km (236 milhas) acima da Terra.

Será a missão espacial tripulada mais longa da China até hoje e a primeira em quase cinco anos.

A tripulação atracou com sucesso na estação espacial pouco mais de sete horas após o lançamento.

O momento do contato foi recebido com aplausos do controle da missão na China.

Sua cápsula Shenzhou-12 decolou no topo de seu foguete Longa Marcha 2F na quinta-feira.

 

A decolagem do centro de lançamento de satélites de Jiuquan no deserto de Gobi foi às 09:22, horário de Pequim (01:22 GMT).

O lançamento e a missão subsequente são outra demonstração da crescente confiança e capacidade da China no domínio espacial.

Nos últimos seis meses, o país retornou amostras de rochas e solo da superfície da Lua para a Terra e pousou um robô de seis rodas em Marte – ambos empreendimentos altamente complexos e desafiadores.

O que a tripulação fará no espaço?

O objetivo principal do comandante Nie Haisheng e sua equipe na missão Shenzhou-12 é colocar em serviço o módulo Tianhe de 22,5 toneladas.

“Tenho muitas expectativas”, disse Nie antes do lançamento.

“Precisamos estabelecer nossa nova casa no espaço e testar uma série de novas tecnologias. Portanto, a missão é difícil e desafiadora. Acredito que com nós três trabalhando juntos, realizando operações completas e precisas, podemos superar nossos desafios . Temos confiança para cumprir a missão. “

Este cilindro Tianhe de 16,6 m de comprimento e 4,2 m de largura foi lançado em abril.

É o primeiro e principal componente do que eventualmente será um posto avançado orbitando de quase 70 toneladas, compreendendo alojamentos, laboratórios de ciências e até mesmo um telescópio da classe Hubble para visualizar o cosmos.

Os vários elementos serão lançados sucessivamente ao longo dos próximos anos. A construção será acompanhada por entregas regulares de carga, bem como expedições de tripulantes.

O que sabemos sobre os astronautas?

As autoridades chinesas mantiveram as identidades dos astronautas da Shenzhou-12 em segredo até uma entrevista coletiva na quarta-feira.

Um piloto de caça, Nie Haisheng, 56, é considerado o astronauta mais antigo da China no espaço.

Ele é um veterano de dois voos anteriores, que incluíram uma visita de 15 dias em 2013 ao protótipo da estação espacial, Tiangong-1. Desde então, isso foi retirado da órbita.

 

Seus companheiros de tripulação, Liu Boming (54) e Tang Hongbo (45), também vieram da Força Aérea. A experiência anterior de voo espacial de Liu foi na missão Shenzhou-7 em 2008, que o viu participar da primeira caminhada espacial da China.

Astronautas
DIREITOS AUTORAIS DA IMAGEM: REUTERS
Tang Hongbo (Esq.), Nie Haisheng (C) e Liu Boming (R) conversaram com repórteres na quarta-feira por trás de um vidro – uma medida de quarentena antes do voo

O Sr. Tang é o novato nesta ocasião, nunca antes tendo entrado em órbita.

A comida, combustível e equipamento que o trio precisará durante sua estada a bordo do Tianhe foram entregues por um cargueiro robótico no mês passado.

Este cargueiro ainda está conectado, e os homens farão o desempacotamento de seus suprimentos sua primeira tarefa assim que se acomodarem. Incluídos na entrega estão dois trajes espaciais de que eles precisarão para realizar caminhadas espaciais no exterior de Tianhe.

Quais são as ambições espaciais da China?

Nos últimos anos, a China não escondeu suas ambições espaciais.

Ele despejou fundos significativos em seus esforços espaciais e, em 2019, tornou-se o primeiro país a enviar um rover sem tripulação para o outro lado da lua.

Mas teve que fazer isso sozinho no desenvolvimento de uma estação espacial, em parte porque foi excluída do projeto da Estação Espacial Internacional.

Os EUA, que lideram essa parceria com a Rússia, Europa, Canadá e Japão, não cooperarão com a nação asiática em órbita.

Gráfico mostrando os principais elementos da estação espacial da China

Por sua vez, a China diz estar aberta ao envolvimento estrangeiro em sua emissora. Em primeira instância, isso significa experimentos científicos hospedados. Por exemplo, a tripulação da Shenzhou-12 conduzirá investigações de câncer conduzidas da Noruega. E do lado de fora da estação, há um espectrógrafo telescópico desenvolvido pela Índia para estudar as emissões ultravioleta vindas do espaço profundo, de estrelas como as que explodiram.

Mas, a longo prazo, provavelmente também haverá visitas à estação por cidadãos não chineses.

A Rússia, que já compartilhou tecnologia no passado com a China, mencionou a possibilidade de enviar seus cosmonautas.

Na conferência de imprensa de quarta-feira para apresentar a tripulação da Shenzhou-12, Ji Qiming, diretor assistente da agência de voos espaciais humanos da China, disse: “Damos boas-vindas à cooperação a este respeito em geral.

“Acredita-se que, em um futuro próximo, após a conclusão da estação espacial chinesa, veremos astronautas chineses e estrangeiros voar e trabalhar juntos”, acrescentou.

O presidente Xi Jinping também deu seu apoio aos esforços espaciais do país e a mídia estatal chinesa regularmente lança o “sonho do espaço” como um passo no caminho para o “rejuvenescimento nacional”.

FONTE: BBC

  • Rio de Janeiro: (21) 2532-5877
  • São Paulo: (11) 3885-7172
  • Shanghai: (86 21) 6840-6399
  • Shenzhen: (0755) 8659-4106
Câmara de Comércio e Indústria Brasil China. Copyright 2020 - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Odara Digital e Webconect