Noticia

 Em meio à pandemia do coronavírus, a China acelerou seus investimentos, posicionando-se como um dos países que mais se beneficiou em meio à crise de saúde que o mundo atravessa, principalmente nos países sul-americanos .

Em Bogotá, na Colômbia, mais de 7 milhões de residentes aguardam ansiosamente a construção da linha do Metrô, um megaprojeto prometido pelo governo há quase duas décadas e que nunca se concretizou por falta de recursos financeiros e problemas políticos.

 

“Bogotá não tem metrô. São 20 anos de estudos, propostas e absolutamente nada. Em 2019, o município fechou concurso com uma empresa chinesa. Este será um dos maiores e mais importantes investimentos que a China fará na Colômbia ”, disse a economista da Pontifícia Universidade Javeriana, Dra. Anne Oduber Peñaloza.

O contrato de concessão foi assinado pelo grupo APCA Transmimetro, que é composto pela China Harbor Engineering Company Limited e pela XiAn Rail Transportation Group Company Limited . A construção do Metro começará no final deste ano e será cem por cento alta e elétrica. Serão investidos cerca de 5 milhões de dólares. A linha férrea terá uma extensão de 24 km, cruzando a capital colombiana de ponta a ponta em menos de 30 minutos. Estima-se que 1 milhão de pessoas o utilizem diariamente.

Outro investimento chinês citado pelo economista colombiano Oduber Peñaloza é a exploração de recursos naturais, principalmente ouro. “A China está competindo por espaço ao lado do Canadá e dos Emirados Árabes Unidos. Esses países têm demonstrado interesse na exploração de ouro aqui na Colômbia ”, disse.

Para ele, esses investimentos são considerados positivos para a melhora da economia do país. “Há dez anos houve uma grande queda no investimento estrangeiro e agora está melhor.” A construção do Metrô vai gerar mais empregos para a população em um período de oito anos ”, disse.

Dados da Câmara de Investimento e Comércio Colombo China mostram que, nos últimos quatro anos, a presença de empresas chinesas na Colômbia quadruplicou, passando de 20 no passado para 80 atualmente.

Para o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil China, Charles Tang, a China continua interessada em investir em energia renovável. (Charles Tang / Zenger)

Outro país sul-americano em destaque é o Brasil. Para o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil China , Charles Tang, o país asiático deve investir, ainda em 2021, cerca de 6 bilhões de dólares em novos empreendimentos. “Logicamente, esses números podem aumentar de acordo com os resultados da competição 5G, dos projetos de conexão de fibra ótica no país e da construção de novas ferrovias, como a construção da ferrovia Bioceânica e do trem-bala Rio-São Paulo”, Tang disse.

 

Na lista das grandes empresas chinesas que pretendem desembarcar no Brasil, com foco especial nos setores de energia, transporte e agronegócio, estão China Southern Power Grid , Huaneng , Huadian , Shanghai Electric , SPIC e Guodian .

Segundo Gustavo Inácio de Moraes, professor de Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), o que leva os chineses a investir no Brasil é a baixa valorização da moeda, o real. “O país está mais barato agora, não só para o investidor chinês, mas para qualquer tipo de investidor internacional, então a China pode avançar nessa situação”, disse o professor.

O economista brasileiro estima que o setor de infraestrutura receberá grandes investimentos do país asiático. Ele citou, por exemplo, a construção de novas estradas e portos modernizados que vão ajudar o Brasil a viabilizar as exportações para o leste.

Pimenta  

O Chile foi o primeiro país sul-americano a estabelecer relações diplomáticas com a China, em 1970, e o primeiro país individual a negociar e assinar um Acordo de Livre Comércio bilateral, em 2006. Segundo o presidente da Câmara de Comércio, Indústria e Turismo do Chile – China, Juan Esteban Musalem, nos últimos quatro anos, uma interessante ofensiva começou a ser estruturada por grandes corporações chinesas, públicas e privadas, que vieram se instalar no Chile para adquirir ativos essenciais ou expandir seus negócios na região.

“Esses investimentos têm se concentrado preferencialmente nos setores de mineração, energia renovável e financeiro. Há também um grande interesse na busca de oportunidades nos setores de turismo, infraestrutura e agronegócio, onde, por exemplo, se destaca a presença de uma das maiores vinícolas da China: Yantai Changyu Pionner Wine ”, disse Musalem.

Outros setores igualmente importantes nos quais a presença chinesa se destacou são as telecomunicações, e o setor automobilístico, onde as empresas BYD e Yutong já estão introduzindo o uso de veículos elétricos, principalmente ônibus.

Peru  

A maior comunidade chinesa na América do Sul está localizada em Lima, capital do Peru. Cerca de 1,3 milhão de imigrantes e descendentes de nativos do país asiático vivem na cidade.

O economista peruano Hugo Meza afirma que “as relações econômicas e comerciais entre o Peru e a China vão além daquela convenção bilateral que acaba de ser estabelecida nos anos 80. É muito mais fecunda, cultural e tem laços fortes nessa relação de troca”.

Desde abril de 2009, o Peru tem um Acordo de Livre Comércio com a China que aumentou as relações comerciais e turísticas nos dois países. Entre os principais produtos das exportações peruanas para a China estão peixes congelados e uvas frescas.

“A China importa muito algodão do Peru. O Pima é considerado o segundo melhor algodão do mundo. Os chineses também importam tecidos de alpaca, papel, mármore e madeira ”, disse Meza. Outra área muito cobiçada pelos chineses é a mineração e a energia.

Assim, a China vê grandes avanços econômicos na América do Sul para as próximas décadas, deslocando outros países, como os Estados Unidos, da região.

FONTE: ZENGER

 

  • Rio de Janeiro: (21) 2532-5877
  • São Paulo: (11) 3885-7172
  • Shanghai: (86 21) 6840-6399
  • Shenzhen: (0755) 8659-4106
Câmara de Comércio e Indústria Brasil China. Copyright 2020 - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Odara Digital e Webconect