Noticia
Yang Weimin, vice-diretor do comitê econômico do comitê nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC)

2020 foi um ano turbulento para a economia chinesa e global, pois a pandemia COVID-19 interrompeu os negócios e a sociedade, forçando os governos a afrouxar as políticas fiscais e monetárias.

O PIB da China cresceu 2,3% no ano passado, à medida que a segunda maior economia do mundo conseguiu uma recuperação constante das consequências da pandemia, tornando-a a única grande economia a se expandir em 2020.

Como 2021 é o primeiro ano coberto pelo novo plano quinquenal da China, todos os olhos estão voltados para o desenvolvimento econômico do país e as mudanças de política.

 

Os principais formuladores de políticas da China se comprometeram a manter a continuidade nas políticas macroeconômicas este ano, não fazendo nenhuma “virada repentina” em meio à recuperação da pandemia.

Em entrevista ao Caixin, Yang Weimin, vice-diretor do comitê econômico do comitê nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC), falou sobre as perspectivas econômicas da China para 2021, desenrolando as políticas de estímulo do país, expandindo os gastos do consumidor e mantendo participação da indústria de transformação no PIB. O comitê nacional da CCPPC é o principal órgão consultivo político do país.

Yang costumava ocupar um cargo importante no principal órgão de formulação de políticas econômicas da China, atualmente conhecido como Comissão Central de Assuntos Econômicos e Financeiros, que é presidido pelo presidente Xi Jinping. De 2011 a 2018, ele atuou como vice-diretor de seu escritório geral, que é liderado pelo principal conselheiro econômico de Xi, o vice-premiê Liu He.

A entrevista ocorreu pouco antes do início das maiores reuniões políticas anuais da China, conhecidas como as Duas Sessões, durante as quais o país definirá suas metas econômicas para o ano todo, que serão observadas de perto por políticos e economistas de todo o mundo.

Caixin: É amplamente previsto que o PIB da China cresça mais de 8% em 2021. Como você vê o crescimento econômico neste ano?

Yang: O crescimento econômico deste ano se recuperará pelo menos ao nível de 2019, 6%. Não há muita pressão para impulsionar o crescimento, principalmente graças à linha de base baixa do ano passado devido à pandemia, e ao compromisso do governo central de manter a continuidade nas macro políticas que apóiam a recuperação econômica.

A recuperação econômica no segundo semestre de 2020 se beneficiou muito do rápido crescimento das exportações. As exportações da China conseguirão manter uma alta taxa de crescimento e ainda responder por grande parte do total global quando outros países retomarem a produção este ano?

Em 2020, as exportações líquidas contribuíram com 28% para o crescimento do PIB da China, o maior desde 2000. Mas isso não deve ser visto como normal. O recorde se deve ao controle efetivo da China sobre a epidemia doméstica em meio à desordem global e à abundante capacidade de manufatura do país. Consequentemente, o crescimento das exportações acelerou no segundo semestre do ano passado, com a China assumindo a liderança na retomada da produção.

Se o mundo colocar a pandemia efetivamente sob controle este ano, a situação – junto com o superávit de liquidez global e a pressão de valorização do yuan – afetará o desempenho das exportações da China.

No entanto, as exportações da China são altamente resilientes e não podem ser substituídas por outros países. Em primeiro lugar, entre as 153 indústrias chinesas, cerca de 50 são voltadas para a exportação, representando cerca de um terço do total. Em segundo lugar, a China possui alguns produtos que são competitivos internacionalmente e não podem ser facilmente substituídos, como equipamentos de comunicação, computadores, componentes eletrônicos, têxteis e roupas e produtos de metal. Em terceiro lugar, as exportações da China são diversificadas, com 90% das 153 indústrias aptas a exportar.

As macro políticas da China estão voltando ao normal em meio à recuperação econômica. Quais serão os passos para sair das medidas adotadas no ano passado para combater a precipitação radioativa pandêmica?

Neste ano, a política monetária não será tão frouxa como foi em 2020, quando a ampla oferta de moeda M2 cresceu 10,1%, 6,9 pontos percentuais acima do crescimento nominal do PIB de 3,2%. Isso foi parte de um esforço para amortecer o impacto da pandemia COVID-19.

Em 2021, a política monetária deve manter o crescimento da oferta de moeda e do financiamento social total em linha com o crescimento nominal do PIB. O crescimento da oferta de moeda pode ser ligeiramente superior ao crescimento do PIB nominal, mas uma lacuna de até 6,9 pontos percentuais será impossível.

Para a política fiscal, não há necessidade de manter a proporção do déficit em relação ao PIB e o tamanho da dívida do governo tão grandes quanto eram em 2020, mas é necessário manter gastos modestos. Por exemplo, a China não pode emitir títulos especiais do governo central para mitigar as consequências da epidemia. No entanto, a política fiscal deve aumentar o apoio à distribuição de renda, o que é importante para construir um novo padrão de desenvolvimento e promover a prosperidade comum.

De onde virá o ímpeto do crescimento econômico da China durante o 14º Plano Quinquenal do país, que vai até 2025?

Temos muitos bônus estruturais e bônus institucionais na China. O que a alta liderança tem proposto é “construir um novo padrão de desenvolvimento” para estimular esses bônus. No médio prazo, o crescimento econômico depende do avanço na construção de um novo padrão de desenvolvimento, que depende do andamento das reformas.

Por exemplo, para construir um novo padrão de desenvolvimento, a China deve expandir o consumo. A urbanização centrada no homem, além de facilitar aos migrantes rurais a obtenção de residência urbana, irá, do lado da produção, criar mais dividendos demográficos, nomeadamente ao aumentar o número de horas de trabalho dos trabalhadores ao longo da vida. Do lado da renda, ajudará os migrantes a construir uma carreira vitalícia, passar para a classe de renda média e aumentar sua renda vitalícia total. Do lado da despesa, aumentará os gastos do consumidor entre os migrantes, apoiando assim a expansão do consumo em todo o país. Essa política pode vincular as três etapas de produção, distribuição e gastos, o que constrói um novo padrão de desenvolvimento. Mas é necessária uma reforma para resolver esse problema.

Nos últimos anos e durante a recuperação pós-pandemia, a China teve algumas dificuldades para aumentar o consumo. Como podemos estimular o consumo?

Do lado da demanda, a primeira tarefa é expandir os gastos das famílias. A primeira coisa a fazer é ajustar a distribuição da renda nacional para que a renda dos residentes cresça mais rápido do que a do governo ou dos setores corporativos. Em outras palavras, a proporção da renda dos residentes em relação ao PIB precisa ser maior.

A segunda é reduzir as pressões sobre o consumo, que se refere principalmente a evitar que os preços das moradias e das hipotecas aumentem mais rapidamente do que a renda dos residentes. Em particular, é importante estabelecer um sistema habitacional que incentive a compra e o aluguel nas megacidades.

Do lado da oferta, devemos melhorar o abastecimento das indústrias baseadas no consumo. Atualmente, existem muitas indústrias que dependem fortemente de importações para atender a demanda dos consumidores, o que significa que a oferta interna é insuficiente e por sua vez impede a expansão do consumo.

Existem basicamente quatro categorias de indústrias que importam mais do que exportam.

Os primeiros são produtos agrícolas em um sentido amplo, incluindo laticínios, açúcar e derivados e óleo vegetal processado. Apesar da escassez de terras aráveis ​​na China, ainda existem recursos a serem utilizados, como uma parte das propriedades rurais não utilizadas.

Em segundo lugar, equipamentos médicos, produtos químicos de uso diário, produtos farmacêuticos e automóveis. Por exemplo, o valor líquido de importação de produtos químicos de uso diário é bastante alto, em grande parte devido a um grande número de importações de cosméticos. A oferta doméstica insuficiente de cosméticos é causada principalmente pela falta de inovação e problemas de gestão e regulamentação.

Em terceiro lugar, turismo e indústrias relacionadas. Os transportes aéreos e aquáticos, os hotéis e as empresas de restauração e catering apresentam um elevado nível de importação líquida, principalmente devido a uma oferta inadequada de serviços de turismo doméstico de alta qualidade. Devemos encorajar a construção de infraestrutura relacionada a viagens e melhorias que aumentem o nível dos serviços de turismo.

Em quarto lugar, a indústria cultural. As indústrias de publicação, rádio, televisão, cinema, arte, esportes e entretenimento têm um alto nível de importação líquida. A indústria cultural é voltada para o consumo e tem grande potencial de desenvolvimento.

Em resumo, esses quatro tipos de indústrias são promissores. Antes de falar em expansão do consumo, a demanda do consumidor atualmente não atendida nesses negócios deve ser atendida internamente, o que faz parte da reforma estrutural do lado da oferta que o governo central propôs em 2015.

Em suas sugestões para o Plano Quinquenal 2021-2025, o Partido Comunista da China propôs manter a participação da manufatura no PIB. Por que isso foi proposto? Como podemos conseguir isso?

A meta é em resposta ao rápido declínio na participação da indústria no PIB da China após 2013.

Do ponto de vista da demanda, o crescimento econômico da China foi impulsionado principalmente pelo investimento e pelas exportações antes da crise financeira global de 2008-2009, o que impulsionou o crescimento dos produtos de investimento e das exportações do lado da oferta. Naquela época, o crescimento industrial era mais rápido do que o econômico.

Após a crise financeira, o crescimento das exportações e dos gastos do consumidor interno desacelerou, o que resultou na redução da produção de muitos produtos industriais. Em 2018, a produção de 60 dos 88 principais produtos industriais caiu abaixo de seus níveis recordes, o que levou a uma desaceleração do crescimento industrial e, portanto, do crescimento econômico. O crescimento industrial tem sido mais lento do que o crescimento econômico desde 2013.

A China então começou a contar com um crescimento rápido no setor de serviços para compensar a desaceleração industrial e manter um crescimento econômico relativamente alto. O setor de serviços cresceu rapidamente nos últimos anos. Agora é responsável por uma proporção maior do PIB, principalmente devido a três tipos de setores: imobiliário e serviços financeiros; Pesquisa e desenvolvimento e serviços técnicos, serviços comerciais, software de informação e serviços de tecnologia da informação; e administração pública, saúde, educação, cultura e outros serviços públicos.

Os setores imobiliário e financeiro estão assumindo uma parcela maior da indústria de serviços. Que impacto isso está tendo na economia?

Os altos preços da habitação podem reduzir os gastos do consumidor em outros produtos e serviços. Os gastos dos residentes com imóveis aumentaram de 8% do consumo total em 2002 para 13% em 2018.

As finanças desempenham um papel importante na suavização do ciclo econômico. Mas se o setor financeiro crescer muito rápido e muito, isso causará certos efeitos estruturais. O valor agregado dos bancos – uma medida de sua produção – significa receita para os credores, mas é um custo e um fardo para os endividados. Um aumento mais rápido no valor agregado do setor bancário implica em uma carga mais pesada para os fabricantes, o que é prejudicial para a oferta e a demanda na indústria de transformação.

Os fabricantes enfrentam dificuldades e custos elevados para obter financiamento, e os empréstimos aos fabricantes representam uma proporção cada vez menor do total. Ao mesmo tempo, devido às altas taxas de juros, as despesas com juros das empresas industriais estão crescendo mais rápido do que seus lucros.

Além disso, os setores imobiliário e financeiro pressionaram o consumo dos residentes, à medida que mais e mais residentes urbanos são sobrecarregados com hipotecas. Por exemplo, de 2013 a 2019, o consumo dos residentes como proporção do PIB local diminuiu 7,9 e 6,4 pontos percentuais, respectivamente, em Pequim e Xangai, onde os preços da habitação são extremamente altos, enquanto a queda média nacional foi de 3,6 pontos percentuais.

O declínio no rácio de consumo dos residentes reflete um crescimento mais lento nas vendas a retalho totais. Isso, por sua vez, levou a um crescimento industrial mais lento e aumentou a pressão para baixo sobre a economia.

Como podemos mudar o fato de que os setores imobiliário e financeiro respondem por uma proporção tão elevada da economia?

A situação é resultado da estrutura da demanda. Desde a crise financeira, a demanda doméstica tem representado uma parcela crescente da demanda total. No entanto, a participação do consumo dos residentes na demanda doméstica aumentou apenas 3 pontos percentuais desde 2018, enquanto a demanda por investimento e os gastos do governo aumentaram 6 e 4 pontos percentuais, respectivamente.

Por trás da estrutura de demanda está a distribuição. Em meio à rápida urbanização dos últimos anos, os governos locais se concentraram na construção urbana, em vez de facilitar aos migrantes rurais a obtenção de residência onde trabalham. No entanto, sem muito dinheiro em mãos, eles acumularam uma grande quantidade de dívida implícita do governo local. Para pagar essas dívidas, os governos locais precisam vender terras a preços elevados, o que, por sua vez, aumenta os preços das moradias. Durante o processo, bancos e incorporadores imobiliários são os que mais se beneficiam, com a distribuição de renda pendendo a favor dessas duas indústrias.

Portanto, o 14º Plano Quinquenal propôs equilibrar o desenvolvimento financeiro e imobiliário com a economia real, o que é uma medida importante para atingir a meta de garantir que a participação da indústria no PIB permaneça estável.

Fonte: Nikkei Asia e Caixin Global

  • Rio de Janeiro: (21) 2532-5877
  • São Paulo: (11) 3885-7172
  • Shanghai: (86 21) 6840-6399
  • Shenzhen: (0755) 8659-4106
Câmara de Comércio e Indústria Brasil China. Copyright 2020 - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Odara Digital e Webconect